sábado, dezembro 30, 2017

TRACEY ULLMAN (58)

Vimo-la em Love You To Death (Amar-te-ei Até Te Matar), em Prêt-à-Porter, em Bullets Over Broadway (Balas Sobre A Broadway), na série Ally MacBeal, e ouvimo-la em Corpse Bride (A Noiva Cadáver). O que não sabíamos é que Tracey Ullman teve uma carreira musical com bastante sucesso na primeira metade dos anos 80. Com efeito, logo após se ter notabilizado no Reino Unido como atriz de comédias para televisão, esta britânica nascida em Slough, no sul de Inglaterra, invadiu as tabelas de vendas com a canção Breakaway, seguindo-se-lhe ainda seis singles de sucesso em pouco menos de dois anos. A partir de 1985, não mais se ouviu falar musicalmente de Tracey, mas ganhou-se uma atriz de cinema a fazer comédia a sério. Hoje, Tracey Ullman completa 58 anos. Parabéns!

sexta-feira, dezembro 29, 2017

JIM REID (56)

Se em finais de 87 ou inícios de 88 déssemos uma voltinha ali pelo Centro Comercial Brasília (ou pelo Dallas), no Porto, e nos cruzássemos com um espécimen masculino, aí entre os 16 e os 20 anos, de cabelo desgrenhado, pálido, talvez com um eyelinerzito tímido, vestido de preto e com um ar muito chateado com o mundo, era muito, mas muito provável que um dos dois, senão mesmo os dois álbuns até então editados pelos Jesus & Mary Chain fizessem parte da sua coleção de vinis lá de casa. E era provável que a mãe lhe impusesse uma ordem de apenas tocar aqueles discos quando ela estivesse ausente. Eu tinha um amigo assim (excetuando a parte da mãe e do eyeliner). Era o Rui. Juntávamo-nos em casa dele, com grupo de colegas de escola, para ouvir o Psychocandy (1985) e o Darklands (1987). E éramos felizes.

Serve este flashback fofinho para assinalar o 56.º aniversário de Jim Reid, fundador dos Jesus (apenas Jesus, como os verdadeiros fãs se referiam a eles) com o irmão William Reid, o baixista Douglas Hart e o baterista Bobby Gillespie.

Depois de uma passagem memorável por Vilar de Mouros, em agosto passado, os Jesus voltam a Portugal para dois concertos em 28 e 29 de maio de 2018, no Coliseu de Lisboa e na Casa da Música, no Porto, respetivamente. Mas estejamos descansados: longe vão os tempos dos primeiros concertos, que duravam 10-15 minutos, com a banda de costas para o público, e que terminavam, frequentemente, com distúrbios entre os fãs. É claro que atirar com o microfone à assistência - ato pelo qual Jim passou duas noites numa esquadra de Toronto em 1987 - também não ajudava nada. Aos 56 anos, o rapaz está mais maduro e sensato.

Jim Reid disse um dia com um ar certamente muito zangado: "They write encyclopedias on the eighties and we're not even mentioned . We WERE the fucking eighties." Pronto, Jim, terás sempre um espaço especial para ti e para a banda no Queridos Anos 80, pá. E parabéns pelo aniversário.

segunda-feira, dezembro 25, 2017

SHANE MACGOWAN (60)

No dia de Natal, Shane MacGowan completa 60 anos e prepara-se para festejar com amigos, no próximo dia 15 de janeiro, em Dublin, no National Concert Hall. Entre esse amigos que se lhe vão juntar em palco estão nomes como Nick Cave, Bobby Gillespie e Johnny Depp. Os bilhetes custam entre 65 e 85 euros. Toda a informação aqui, caso ainda possam lá dar um salto.

No concerto, Shane deverá deslocar-se em cadeira de rodas, o meio de locomoção que usa desde a queda que sofreu em 2015 e que lhe provocou a fratura do osso da pélvis. Shane tem tido uma vida complicada em termos de saúde e já fintou o destino que o poderia levar à morte por várias vezes. Em 2001 foi Sinead O'Connor quem o denunciou à polícia por posse de heroína, numa ação, mais tarde vista pelo próprio Shane, como determinante para evitar que se envolvesse nas drogas duras.

2017 não foi um ano bom para Shane. Para além dos seus problemas de saúde, no primeiro dia do ano, a sua mãe, de 87 anos, morreu num acidente de automóvel e alguns dias depois foi a vez do seu ex-empresário, Frank Murray. Esperemos que 2018 traga paz e saúde ao homem que tão felizes nos fez com temas como A Pair of Brown Eyes, Dirty Old Town ou Misty Morning Albert Bridge. Parabéns, Shane!

ANNIE LENNOX (63)

As notícias mais recentes sobre Annie Lennox dão testemunho do prestígio de que a vocalista dos Eurythmics e ativista contra a pobreza goza atualmente na sociedade britânica: em novembro deste ano foi nomeada reitora da Universidade Caledoniana de Glasgow, cargo de que irá tomar posse em 2018, sucedendo a Muhammad Yunus, Prémio Nobel da Paz.

Eu tenho uma paixão incomensurável por esta mulher, devo confessar. Já dos tempos dos The Tourists, com a versão fantástica de I Only Want To Be With You (Dusty Springfield) até ao duo Eurythmics, com Dave Stewart, ao lado do qual cantou e compôs uma série de canções absolutamente geniais, Annie Lennox é exemplo de que era possível conjugar, nos anos 80, uma imagem pop atraente, sem entrar no paradigma da sex-symbol efémera, a um talento musical incomparável, tanto a nível vocal como instrumental. Annie, natural de Aberdeen, na Escócia, e com formação musical ao mais alto nível (estudou flauta, cravo e piano na Academia Real de Música, em Londres), constituiu, com Dave Stewart, a dupla mais consistente e apaixonante da pop dos anos 80.

Em 1990, a RTP 2 transmitiu um concerto dos Eurythmics em Roma, Itália, do ano anterior, que ainda tenho ali guardado numa VHS velhinha, um concerto que vi repetidas vezes e que mostra a banda no seu auge artístico. Mas para que preciso da cassete de vídeo velhinha quando o concerto está no YouTube?

Hoje, Annie Lennox completa 63 anos. Parabéns!

quarta-feira, dezembro 20, 2017

ALAN PARSONS (69)

Quando era miúdo gostava muito da canção Let's Talk About Me, de Alan Parsons Project, o projeto do senhor Alan Parsons, iniciado em 1975, em parceria com Eric Woolfson. A vocalização de Let's Talk About Me era de David Paton, mas a banda não tinha um vocalista, digamos, titular. As vozes, e foram muitas, eram escolhidas tendo em conta a canção, produto da dupla Parsons-Woolfson. Ainda assim, foi o próprio Eric Woolfson (falecido em 2009) quem cantou o tema que trouxe mais sucesso à dupla: Eye In The Sky, canção que completou 35 anos no passado novembro.
Alan Parsons, que antes de ser artista com nome próprio, trabalhou com os Beatles e os Pink Floyd, completa hoje 69 anos. Parabéns!

terça-feira, dezembro 19, 2017

LIMAHL (59)

Só nos anos 80 poderíamos ouvir uma banda com um nome tão estranho como Kajagoogoo e só nos anos 80 poderíamos perceber que um nome deste calibre não poderia estar associado a outro tipo de penteados que não os de Limahl, Nick Beggs e companhia. E amar aqueles penteados (...ou talvez não).

Hoje trago aqui os Kajagoogoo porque o vocalista Limahl faz 59 anose eu gosto de assinalar estas coisas. Limahl, que, na realidade, se chama Christopher Hammil (Hammil-Limahl.. perceberam?) e um dia decidiu responder ao anúncio de jornal de uma banda chamada Art Nouveau que procurava um vocalista e um penteado. Não sei se o cabelo impressionou mais do que voz, mas obviamente que foi amor à primeira vista. E a alteração do nome da banda para o, na minha humilde opinião, lamentável Kajagoogoo só foi um problema até ao rebentar desse êxito colossal chamado Too Shy, que eternizou esse refrão de engate fulminante que todos conhecemos de cor: hey girl, move a little closer... 'cause you're too shy shy, hush hush, eye to eye... Aposto que muita adolescente da altura não se importaria de explorar um eye to eye com Limahl, ele que fazia regularmente parte dos posters das revistas teen da altura.

Quando a banda despediu Limahl - de uma forma algo indecente, diga-se de passagem, ao pedirem ao manager que lhe desse uma palavrinha em vez de o fazerem eles próprios -, milhões de fãs em todo o mundo ficaram em choque. Até porque havia uma dívida de gratidão em jogo: tinha sido Limahl a convencer Nick Rhodes (Duran Duran) a ouvir uma demo da banda e a produzir o primeiro álbum, White Feathers, isto enquanto lhe servia uma bebida no Embassy Club, onde trabalhava como barman (havia que fazer pela vida, claro, enquanto a banda ainda se mostrava too shy para o sucesso).
Estávamos em 1983 e, depois disto, a banda nunca mais se encontrou, mas Limahl viria a conseguir uma espécie de vingançazinha, ao alcançar sucesso global com o tema-título do filme Never Ending Story, do realizador Wolfgang Petersen.

E atualmente, que é feito de Limahl? As últimas notícias dão conta de um concerto de há sensivelmente um mês, bem, uma meia horinha em palco, para apadrinhar o acender das luzes natalícias e consequente início das compras de Natal da localidade de Evesham, no Reino Unido.
Hoje é tempo de celebrar. Parabéns, Limahl!

segunda-feira, dezembro 18, 2017

MARTHA JOHNSON (67)

Os canadianos Martha and the Muffins são uma das one-hit wonders dos anos 80 que este blogue guarda no coração, precisamente graças a essa preciosidade das pistas de dança chamada Echo Beach. Gravada para o álbum de estreia, ainda em 1979, Echo Beach saiu como single já em 1980 e ganhou o Juno Award para single do ano.
Martha Johnson, a vocalista, completa hoje 67 anos, e, apesar de viver com a doença de Parkinson desde 2000, mantém uma atividade musical regular ao lado do marido Mark Gane (membro fundador da banda e compositor de Echo Beach). Ambos lançaram ainda em agosto de 2017 um novo single chamado Summer of Song, uma canção lindíssima que vale muito a pena ouvir.
Hoje é dia de celebrar: parabéns, Martha!

sábado, dezembro 16, 2017

Zé Pedro entrevistado por Pita (Luso Clube)

Esta é uma gravação que fiz em finais de 1987 ou inícios de 1988, não posso precisar com absoluta certeza, em plena afirmação nacional dos Xutos & Pontapés, após terem lançado o álbum Circo de Feras. O programa era o Luso Clube e o jornalista era o Pita, que conversa com Zé Pedro durante cerca de 20 minutos.
É um Zé Pedro com 31, 32 anos, ainda algo inebriado com o sucesso colossal que Circo de Feras trouxe à banda e que permitiu aos Xutos passarem da condição de banda de culto, seguida por uma imensa minoria, a grande referência do rock nacional que esgotava pavilhões e entrava decisivamente nas tabelas de vendas nacionais.
É um Zé Pedro talvez ainda sem saber muito bem como lidar com todo aquele êxito que apanhou a banda desprevenida, mas com a consciência de estar a liderar um movimento que permitiria um segundo impulso ao rock português (através da aposta das multinacionais) e com objetivos bem vincados para o futuro, como, por exemplo, esse desejo, algo utópico, de querer a afirmação dos Xutos no estrangeiro, mas sempre a cantar em português. Não é minha intenção antecipar aqui tudo o que ele diz na entrevista, mas digo-vos que este é um documento sonoro histórico muito importante, até para percebermos o quanto importantes foram os Xutos para a evolução da indústria musical portuguesa.
Posso destacar uma frase do Zé Pedro? Cá vai: "Não sou muito de dar conselhos, porque acho que a minha vida não pode ser exemplo para as outras pessoas".
O som, por vezes, não está nas melhores condições porque a fita da cassete onde está já sofreu o dano irreparável do tempo. Este som é dedicado ao Zé Pedro, ao Tim, ao Kalú, ao João Cabeleira, ao Gui e a todos os fãs dos Xutos & Pontapés.


Rest In Peace (atualização 16.12.17)


Adam Yauch (Beastie Boys)
Adrian Borland (The Sound)
Al Jarreau
Alan Myers (Devo)
Andrew Gold (Wax)
Andy Gibb
António Variações
Ari Up (The Slits)
Benjamin Orr (The Cars)
Big Bank Hank (The Sugarhill Gang)
Billy Mackenzie (The Associates)
Bob Casale (Devo)
Bobby Womack
Brian Hibbard (Flying Pickets)
Carlos Paião
Caroline Crawley (Shelleyan Orphan)
Cecil Womack (Womack & Womack)
Chrissy Amphlett (Divinyls)
Clarence Clemons
Cliff Burton (Metallica)
Colin Vearncombe (Black)
Dan Hartman
David Bowie
David McComb (The Triffids)
Dee Dee Ramone
Donna Summer
Dusty Springfield
Eartha Kitt
Eric Carr (Kiss)
Eric Woolfson (Alan Parsons Project)
Falco
Francisco Ribeiro (Madredeus)
Frankie Knuckles
Freddie Mercury (Queen)
Gary Garcia (Buckner and Garcia)
Gary Moore
George Harrison
George Michael (Wham)
Glenn Frey
Graeme Kelling (Deacon Blue)
Grant McLennan (The Go-Betweens)
Greg Ham (Men At Work)
Gregory Isaacs
Ian Curtis (Joy Division)
Izora Armstead (The Weather Girls)
Jam-Master Jay (RUN DMC)
James Freud (Models)
James Honeyman-Scott (The Pretenders)
Jeff Hanneman (Slayer)
Jeff Porcaro (Toto)
James Brown
Jeffrey Lee Pierce (The Gun Club)
Jermaine Stewart
Jim Diamond
Jimi Jamison (Survivor)
Jimmy McShane (Baltimora)
João Aguardela (Sitiados)
Joe Cocker
John Balance (Coil)
John Lennon
Johnny Ramone
Joe Strummer (The Clash)
Joey Ramone
June Pointer (The Pointer Sisters)
Karen Carpenter (The Carpenters)
Kevin MacMichael (Cutting Crew)
Kirsty MaCcoll
Laura Branigan
Lemmy (Motorhead)
Leonard Cohen
Lou Reed
Lux Interior (The Cramps)
Madi (Sérgio e Madi)
Marvin Gaye
Maurice Gibb (Bee Gees)
Matthew Ashman (Bow Wow Wow)
Maurice White (Earth Wind & Fire)
Mel (Mel & Kim)
Michael Hutchence (INXS)
Michael Jackson
Mick Karn (Japan)
Natalie Cole
Nick Marsh (Flesh For Lulu)
Nico (Velvet Underground)
Ofra Haza
Patrick Swayze
Paul Raven (Killing Joke)
Paul Young (Mike + The Mechanics)
Pete Burns (Dead Or Alive)
Pete de Freitas (Echo & the Bunnymen)
Pete Farndon (Pretenders)
Peter Slaghuis (Video Kids)
Peter Tosh
Phil Chevron (The Pogues)
Phyllis Nelson
Poly Styrene
Prince
Renato Russo (Legião Urbana)
Rick James
Rick Parfitt (Status Quo)
Ricky Wilson (B-52's)
Rob Tyner (MC5)
Robert Fisher (Climie Fisher)
Robert Palmer
Robert Pilatus (Milli Vanilli)
Robert Young (Primal Scream)
Robin Gibb (Bee Gees)
Roland Howard (The Birthday Party)
Roy Orbison
Rozz Williams (Christian Death)
Scott Miller (Game Theory)
Sérgio Wonder (Sérgio e Madi)
Steve Clark (Def Leppard)
Steve Strange (Visage)
Stiv Bators (Lords Of The New Church)
Stuart Adamson (Big Country)
Teena Marie
Teddy Pendergrass
Van Stephenson
Whitney Houston
Willy DeVille
Zé Pedro (Xutos & Pontapés)

terça-feira, julho 11, 2017

The Stranglers + Ecos da Cave ao vivo em Santo Tirso

As Festas de São Bento, em Santo Tirso, reservaram o dia de ontem para um regresso musical ao passado.
Primeiro com os Ecos da Cave, filhos da terra, cujos 30 anos de grupo foram celebrados em comunhão com um público entusiasta e a saber de cor o já clássico Desejo, tema principal que levou a banda a figurar entre as oito melhores do concurso do Rock Rendez-Vous em 1988. O vocalista Alfredo, sempre muito dialogante com o público, estava visivelmente emocionado pelo momento histórico que se estava a viver no palco instalado na Praça 25 de Abril. No final, ninguém diria que já se passaram três décadas, e ficou no ar a ideia de um regresso da banda ao ativo.
Depois vieram os The Stranglers, instituição punk e pós-punk já com várias passagens por Portugal, e que atualmente apresenta o baixista/vocalista Jean-Jacques Burnel e o teclista Dave Greenfield como membros da formação original. Um duplo arranque em falso, por problemas técnicos, não condicionou uma atuação que se mostrou segura e competente, maioritariamente centrada no catálogo inicial da carreira, a que a maioria do público respondeu com entusiasmo... moderado - estariam à espera de ver Hugh Cornwell na voz principal, que agora é assegurada por Baz Warne? A exceção foram, como seria de prever, os hits Golden Brown e Always The Sun, tocados de seguida, como podemos verificar na setlist publicada aqui. As músicas foram-se sucedendo a um ritmo quase vertiginoso ou não estivesse em causa o fogo de artifício prometido para a meia-noite e depois adiado para as 00:30. Mas daí não podia passar. De modo que o encore que estava previsto com Go Buddy Go não foi tocado, deixando um sabor amargo naquele final de concerto às centenas que ainda esperavam ouvir, quem sabe, um La Folie ou um Strange Little Girl.
Deixo aqui cinco vídeos gravados pela câmara do Queridos Anos 80, dentro do que a emoção e a tremideira do braço permitiram.






sexta-feira, junho 02, 2017

TONY HADLEY (57)

Uma das grandes vozes da pop masculina dos anos 80 faz hoje 57 anos. Chama-se Tony Hadley, foi o frontman dos Spandau Ballet e ainda teve tempo para derreter uma quantidade considerável de corações adolescentes. O que pouca gente sabe é que o nosso good old Tony, antes de fazer vida na música, foi estrela de fotonovelas de uma revista teen chamada My Guy. Ora espreitem aqui.
Os tempos da agitação New Romantic já lá vão e os Spandau Ballet construíram uma carreira suficientemente sólida para ainda hoje serem idolatrados por esse mundo fora e considerados, pelo menos por mim, como membros, por direito próprio, da nata da pop dos anos 80. E a dar-me razão temos a receção entusiástica que tiveram em 2009 aquando da Reformation Tour, que voltou a juntá-los nos palcos de uma série de países, incluindo Portugal. Ainda estou para perceber como fui capaz de falhar o concerto de Lisboa em 10 novembro de 2009.

sábado, maio 20, 2017

JANE WIEDLIN (58)

Foi uma das Go-Go's (voltaram aos concertos em 2016!) e faz hoje 58 anos, mas é graças a uma canção chamada Rush Hour que o Queridos Anos 80 tem Jane Wiedlin no seu coração. A canção do teledisco dos golfinhos  respira verão, água, sol, praia e é capaz de me pôr aos saltos numa qualquer pista de dança. Não lhe conheço nenhum outro hit, a Jane Wiedlin, mas este chega e sobra para lhe dar o merecido destaque.
A solo, editou quatro álbuns, o segundo dos quais, Fur (1988), teve um impacto razoável no Reino Unido, em grande parte graças à canção supracitada. Também no cinema, a moça já revelou os seus talentos e é uma voz habitual em filmes de animação. E tem uma coleção de banda desenhada cuja personagem principal é... ela mesma, mas respondendo por Lady Robotika. Já disse que hoje faz anos? Parabéns!

sexta-feira, maio 19, 2017

GRACE JONES (69)

Uma pessoa distrai-se e a Grace Jones faz isto. Aos 67 anos. Sim, subiu ao palco, no Afropunk Festival, em 2015, em topless, pintura corporal e apenas com um corpete e cuecas. Dois anos antes, o The Guardian incluiu-a nas cinquenta personalidades acima dos 50 anos mais bem vestidas. Ela que, nos anos 70, ainda antes de se dedicar a sério à música e ao cinema, já tinha percorrido as passerelles mais importantes do mundo da moda.
Quanto à música, é inevitável falar de Slave To The Rhythm e das versões de La Vie En Rose (esta de 1977) ou Private Life. Em 2008 editou, Hurricane, aquele que é, até à data, o seu último trabalho discográfico.
Mas há novidades no grande ecrã. O biopic Grace Jones: Bloodlight and Bami, com realização de Sophie Fiennes, será por estes dias lançado no Festival de Cannes. Com cinco anos de produção, este documentário é a oportunidade de entrarmos no mundo bizarro deste ícone da pop.
Hoje Grace Jones completa 69 anos. Parabéns!

sábado, março 25, 2017

ARETHA FRANKLIN (75)

Aos 75 anos, completados hoje, Aretha Franklin encontra-se a gravar um novo álbum. Ainda não há título para o novo registo, mas já se sabe que terá Stevie Wonder a produzir e a compor. Outra novidade são as presenças do filho e da neta da rainha da soul no disco. Todas as novidades, incluindo um vídeo com entrevista em estúdio, aqui.
Com lugar de destaque na elite da soul durante os anos 60 e assistindo ao decair do seu sucesso comercial na segunda metade dos anos 70, não foi fácil, para Aretha, sobreviver ao impacto dos anos 80. A rainha da soul soube, porém, adaptar-se às sonoridades sintetizadas e à estética dos 80s e passou o teste com distinção. Confirmam-no cinco prémios Grammy e um conjunto de canções - a solo ou em dueto - que deixaram a marca da cantora na década dourada da pop. Aqui estão elas por ordem cronológica decrescente. Parabéns, Aretha!

through the storm (1989)
through the storm (com elton john)
it isn't, it wasn't, it ain't never gonna be (com whitney houston)
gimme your love (com james brown)
aretha (1986)
i knew you were waiting (com george michael)
jimmy lee
jumpin' jack flash
who's zoomin' who? (1985)
freeway of love
who's zoomin' who
sisters are doin' it for themselves (com os eurythmics)
jump to it (1982)
jump to it

ELTON JOHN (70)

Sir Elton John faz hoje 70 anos. De nome verdadeiro Reginald Kenneth Dwight, é um dos ícones da música britânica, e atrever-me-ia mesmo a dizer, da cultura britânica dos últimos 50 anos. A sua parceria com Bernie Taupin também está de parabéns: são cinco décadas de trabalho conjunto para trazer ao mundo alguns dos melhores temas da piano-pop de sempre.
Hoje há festa nos Red Studios, em Los Angeles, com a celebração do aniversário dos 70 anos do cantor e dos 50 anos da colaboração com o letrista a contar com a presença de Lady Gaga entre outros convidados surpresa. George Michael estaria, certamente, presente no evento, não fosse o seu falecimento há três meses. Este evento servirá, também, para a angariação de fundos com destino à Elton John AIDS Foundation e o UCLA Hammer Musem.
Quanto a discos, o homem não para: o mais recente registo tem um ano e chama-se Wonderful Crazy Tonight. É apenas o trigésimo-terceiro álbum de estúdio. Nós, portugueses, tivemos a oportunidade de ver Elton John, em Julho de 2016, no Festival Marés Vivas.
Parabéns, Elton John!

sexta-feira, março 24, 2017

NENA (57)

Praticamente esquecida nos media internacionais dedicados à música, Nena não se tem saído mal no seu país de origem nessa tentativa, quase sempre inglória para uma ex-estrela dos 80s, de manter um grau de popularidade minimamente aceitável.
Nesta altura faz parte do júri da versão alemã do The Voice Kids, juntamente com a filha, Larissa Kerner. Talvez não seja um mero acaso a presença num programa deste tipo. É que Nena já é avó. E teve um filho já depois de ser avó. E aquilo deve ser uma alegria em casa, digo eu. Muita coisa a acontecer na família Kerner, portanto.
No que a este blogue diz respeito, a música, a última edição de estúdio de Nena ainda é álbum Oldschool, editado em 2015,  do qual já aqui falei aquando do 56.ª aniversário da miúda dos 99 Red Balloons.
Hoje completa 57 anos. Parabéns!

sexta-feira, janeiro 27, 2017

spotify - queridos_anos_80_#8

bill pritchard | the lilac time | microdisney | the weather prophets | the mighty lemon drops | the jazz butcher | the go-betweens | the woodentops | the icicle works | modern english

 

spotify - queridos_anos_80_#7

bryan adams | bonnie tyler | toto | chicago | reo speedwagon | heart | foreigner | richard marx | starship | adrian gurvitz

 

sexta-feira, janeiro 13, 2017

diggin'

Para um maluquinho por música como eu, não há nada mais saudável que uma visita regular a uma loja de cds/vinil usado(s). É uma rotina mensal, às vezes quinzenal, da qual não abdico: "perder-me", "perdendo" uma ou duas horas a procurar, a esgaravatar, a remexer, a escarafunchar prateleiras e caixotes de música. É uma felicidade, acreditem, principalmente depois de um dia de trabalho que não correu como esperava. Às vezes não sei o que procuro, mas procuro e procuro e (re)encontro o equilíbrio ali. E sei que vou sair com alguma coisa na mão, o que aumenta o frenesim da descoberta. Às vezes apenas quero ir de cd em cd ou de vinil em vinil. Ver "aquele" que já tenho, aqui a um preço proibitivo (e sorrir). Reparar naquele que na FNAC até está mais barato (e sorrir). Dar de caras com uma coletânea de 40 músicas dos anos 80, onde está "aquela" que me faltava (e sorrir). Pensar que o empregado, quando me vê entrar, já me olha com aquele ar "lá vem o doido que se põe a rir sozinho" (e sorrir por causa disto). Também me acontece trazer um disco para casa para chegar à conclusão de que já o tenho (e nem por isso deixo de sorrir).
Para quem não é do Porto e quiser um dia dedicar-se ao diggin' aqui, posso aconselhar a Louie Louie Porto, a Piranha - Loja de Música, a Porto Calling - Loja de Discos ou a Muzak Vinil. Já agora relembro aqui uma publicação de maio de 2011 sobre a minha aventura por lojas de música em Madrid.