sexta-feira, dezembro 31, 2004

O QA 80...

... deseja-lhe um feliz 2005.

quinta-feira, dezembro 30, 2004

Sondagem Melhor Cover (2): Silence 4 arrasam concorrência


Os Silence 4 arrasaram a concorrência na edição nº2 (para ver a edição nº1 clique aqui) da eleição da melhor cover de uma canção dos anos 80. Foram 40% dos votos que deram a A Little Respect (Erasure) uma vitória esmagadora sobre as restantes concorrentes.

Aqui fica a classificação final após 100 votos:

1. Silence 4 - A Little Respect: 40%
2. Placebo - Big Mouth Strikes Again: 18%
3. Marilyn Manson - Tainted Love e Gary Jules - Mad World: 15%
5. Korn - Word Up: 9%
6. Blunder - Blister In The Sun: 3%

Olha, olha, é a Annie!


Annie Lennox

Foram quatro dias de sofrimento na comunidade "eighties" que visita o Queridos Anos 80. Aquele penteado deu água pela barba a quem se deu ao trabalho (obrigado por participarem!) de puxar pela memória visual. A grande vencedora foi a venon, que disse no seu comentário: "é um nino, sem sombra de dúvida!ou como sombra de dúvida, será a Annie Lennox? caso seja o menino, é o Andy Bell, e voto também na sugestão do Electrob." Ela foi a única pessoa a referir o nome de Annie Lennox.
Fazendo um apanhado de todos os palpites que foram dados tivemos Andy Bell (Erasure) com 4, David Bowie com 3 e Martin Gore com 2. Com um palpite cada: Madonna, Glenn Gregory (Heaven 17), Billy Idol, Pal Waaktaar (A-ha) e a Shirlie (Pepsi & Shirlie). Assim na brincadeira houve quem falasse no Roberto Leal e no José Cid, o que só honra estes dois intérpretes da música ligeira portuguesa.

Resolvi fazer este passatempo com Annie Lennox pela simples razão de que a senhora (com S maiúsculo, se faz favor) fez 50 anos no dia de Natal. Foi assim uma forma de homenagear uma das minhas cantoras preferidas de todos os tempos. E qualquer dia faço um post sobre os Eurythmics.

segunda-feira, dezembro 27, 2004

Quem será?



A quem pertencerá este penteado tããããããããão cool?

(E essa consoada? Muito bolo rei, muitas rabanadas, muita aletria, muitas prendinhas?)

quinta-feira, dezembro 23, 2004

Os votos do QUERIDOS ANOS 80


Feliz Natal

Prendas (2)


E que tal um livrinho? Já aqui fiz referência a três obras sobre a temática musical, que têm muito a ver com os anos 80. Primeiro foi a Encyclopaedia of Classic 80s Pop, de Daniel Blythe, uma obra de referência no que diz respeito à música que se fez nos anos 80. Depois o já mítico Escrítica Pop, de Miguel Esteves Cardoso, que teve honras de reedição no ano passado e que mostra a visão muito peculiar do escritor sobre a música que se editava em inícios da década. Finalmente, sugeri o The Rough Guide To Cult Pop, mais uma edição da colecção Rough Guides, em que a qualidade da informação só rivaliza com o humor com que os textos são escritos.

Deixo aqui uma pequena listagem de outros títulos generalistas (escritos em inglês) que encontrei pela Net.

The Virgin Encyclopaedia Of Eighties Music
Totally Awesome 80s (este vai para além da música)
The Totally Awesome 80s Pop Music Trivia Book
Who Can It Be Now? : The Lyrics Game That Takes You Back to the '80s
Post Punk Diary: 1980-1982
Tape Delay: Confessions from the Eighties Underground
The Dark Reign of Gothic Rock : In The Reptile House with The Sisters of Mercy, Bauhaus and The Cure
Our Band Could Be Your Life: Scenes from the American Indie Underground 1981-1991

Um livro sobre um artista ou banda em particular é também uma boa ideia. É só ter tempo e paciência para vasculhar a caótica secção de livros sobre música da FNAC.

Prendas (1)


O DVD é a prenda da moda. Um filme ou um concerto, tanto faz. Para quem está imbuído de um espírito musical “anos 80”, aqui deixo 10 sugestões de DVD musical. Opções não faltam, todas elas de qualidade. Algumas podem ser encontradas em lojas da especialidade, outras terão mesmo de ser encomendadas via Net.

Duran Duran – Greatest Hits
Pet Shop Boys – Pop Art
Erasure – Hits! The Videos
Human League – The Very Best Of
The Smiths – The Complete Picture
The Cure – Greatest Hits
Depeche Mode – Videos 86-98
New Order – 316
The Cult – Pure Cult
The Clash – The Essential Clash

Para finalizar, o DVD dos DVDs do momento: o Live Aid. É um bocadito carote, mas vale a pena. Vá lá, quanto mais não seja, ofereçam-no a vós mesmos.

Vem aí o Natal!




O George e o Andrew divertiam-se a valer!!!

quarta-feira, dezembro 22, 2004

Aconteceu neste dia




1984 - Madonna chega pela primeira vez ao primeiro lugar do top americano de singles onde permanecerá durante seis semanas. A canção chama-se Like A Virgin. A partir daqui serão 20 anos de reinado sobre a pop mundial. Uma senhora, carago.



1987 - Nikki Sixx, um grande amigo das drogas duras, é declarado morto numa ambulância após uma paragem cardíaca que durou dois minutos. Duas injecções de adrenalina milagreira fazem o guitarrista dos Motley Crue despertar. Os restantes membros do grupo foram já avisados da sua morte. Agora serão avisados de que ele "ressuscitou".



1988 - Os The Smiths dão o concerto de despedida no Wolverhampton Civic Hall, mas já sem o guitarrista Johnny Marr. Para poderem assistir ao concerto os fãs devem trazer vestida uma t-shirt dos The Smiths ou de Morrissey.

The Monroes

Cherioo, Cherioo bye bye Cherioo it´s too late to try



Senhoras e senhores, o maior fã português dos The Monroes escreveu ao QA80. Chama-se Serginho e luta para acabar de vez com o mito de que da Noruega apenas vieram os A-ha. O QA80 agradece!

"Boas

Gosto muito do seu blog. Consegue arranjar algumas informações sobre os The Monroes, um duo norueguês composto pelos altíssimos Lage Fosheim e Eiwind Rolles, cujo escasso atractivo físico (como vendiam internamente mais que os A-ha?) era largamente compensado com a energia e presença em palco de músicas que oscilavam entre o ska mais mordaz, a pop dançável e as melodias românticas (felizmente com devida distância do eurodisco)? Em 1986 assaltaram as tabelas de venda em Portugal com o single Cheerio. Face Another Day foi o 1º LP que comprei na vida nesse mesmo verão (tinha uns 12 anos) e escutei-o até à exaustão, tentando traduzir auditivamente pelo ruidoso vinil as letras em inglês no sotaque cerrado de Fosheim. A dádiva da internet (e do ebay) veio possibilitar a recuperação do disco da minha vida em CD (pelo qual paguei 8 contos há 4 anos a um vendedor australiano) e também a aquisição da restante discografia: Sunday People (1983), Everything´s Forgiven (1987) e Long Way Home (1993). Ironicamente tenho todos os CDs e só me falta... o best of lol. Certezas só uma: devo ser o maior (e único) fã português deles...
Com uma carreira que apenas durou 10 anos (83/93), os seus membros (pela escassa informação que existe na net e ainda por cima em norueguês) ocupam hoje um lugar destacado nas produção musical norueguesa, reunindo-se como antigo grupo pontualmente para eventos ao vivo."

segunda-feira, dezembro 20, 2004

Luke "Nomak" Goss

A pedido de várias famílias, eis Luke Goss, também conhecido por o-gajo-dos-Bros-que-participou-no-Blade-II (o meu obrigado ao "Anonymous" que deu a dica)


sexta-feira, dezembro 17, 2004

Afinal eles tinham talento

Tem dezasseis anos este excerto publicado no New Musical Express. Dizia o loiro:

"Temos o LP de estreia com venda mais rápida da história da CBS Records. Isso não se consegue sem talento".

Ah, pois é! Tomem lá qu'é pr'aprenderem!

Já agora, quem são estes talentosos rapazes? Há valiosos e aliciantes prémios para quem acertar!!!


(não há nada, mas é fixe participar!)

quarta-feira, dezembro 15, 2004

Andy Bell (Erasure) é seropositivo



Notícia TSF online:

Vocalista dos Erasure revela que é seropositivo

Andy Bell, um dos músicos da dupla britânica Erasure, revelou hoje que é seropositivo há seis anos, tendo descoberto que era portador do vírus HIV quando contraiu uma pneumonia em 1998.

( 20:31 / 15 de Dezembro 04 )

Em comunicado no site oficial do grupo, o músico, de 40 anos, explicou que soube que era seropositivo quando ficou doente em Maiorca (Espanha) em 1998 e que está a tomar medicação desde essa altura.

Andy Bell assegura que se sente bem, que ainda existe «muita histeria e ignorância sobre o vírus HIV e a Sida e que o melhor é seguir em frente a compor, a tocar ao vivo e a passar bons momentos».

No próximo ano, Paul Hickey, companheiro de Andy Bell há mais de 20 anos, deverá lançar um livro sobre a vida do cantor britânico, um dos primeiros músicos a assumir publicamente a sua homossexualidade.

Os Erasure, que surgiram em 1985 com Andy Bell e Vince Clarke e ficaram conhecidos por termas como «A little respect», «Chains of Love» ou «Sometimes», vão editar em Janeiro um novo álbum, intitulado «Nightbird».

sábado, dezembro 11, 2004

Já Se Faz Tarde


O Queridos Anos 80 foi referido no programa Já Se Faz Tarde, da Rádio Renascença. Trata-se de um programa diário que vai para o ar pouco antes das 20h00. Nele o jornalista Pedro Caeiro traz-nos toda a informação sobre novos sites e blogs.

No dia 22 de Novembro, a referência foi o QA80 acompanhada do seguinte texto:

Numa altura em que o revivalismo dos anos 80 se faz sentir, o destaque de hoje vai para um blog português que tem por título Queridos Anos 80. Neste blog, recorda-se essa década naquilo em que, mais provavelmente, se distinguiu: a música. Em http://dear80s.blogspot.com, há também espaço para curiosas mini-sondagens sobre temas tão diversos como a banda favorita, a melhor canção de natal ou o melhor penteado masculino das estrelas pop dos anos 80.

FALCO

Jeanny, quit livin' on dreams Jeanny, life is not what it seems



Comecemos pelo fim: Falco morreu no dia 8 de Fevereiro de 1998 devido a um acidente de automóvel. Foi na República Dominicana e faltavam 20 minutos para as cinco da tarde. Estava a nove dias de completar 41 anos.

Foi o maior artista a emergir da Áustria nos anos 80 e, desconfio, desde sempre. Nunca foi um dos meus favoritos, longe disso, talvez consequência de o meu ouvido estar pouco ou nada educado para a língua alemã. Gosto, porém, bastante de Jeanny, uma balada um pouco ao estilo Vítor Espadinha, mas que não tem nada a ver (não sei se deu para perceber). Ainda ontem, ouvi o Luís Filipe Barros (Histórias da Música, Antena 1, todos os dias, cinco minutos antes do noticiário das 9.00) revelar que esta música tinha sido banida na altura de quaisquer rádios e televisões alemãs, pois alguém chegou à conclusão de que falar de prostituição, violação num bosque e pormenores macabros devia ser censurado. As músicas que se podia censurar hoje em dia...

O verdadeiro nome de Falco é Johann Holzel. Nascido em Viena a 19 de Fevereiro de 1957, foi desde criança considerado um prodígio musical ao nível da sua educação clássica. Já depois de ter finalizado o Consevatório de Viena, mudou-se para Berlim (ocidental, pois claro), onde liderou uma banda de jazz-rock. Decidiu então mudar o seu nome para Falco em honra do esquiador alemão Falko Weissflog e regressou a Viena onde integrou uma banda punk com o bonito nome de Drahdiwaberl, cujo tema mais conhecido (para os austríacos, claro) foi Ganz Wein. Falco tocava viola-baixo.

A carreira a solo de Falco começa mesmo em 1982 com o álbum Einzelhaft. Der Kommissar (Drah di net um, der Kommissar geht um...)foi então o seu primeiro grande êxito à escala internacional, uma canção que trazia a novidade do rap em alemão associado a um techno-pop que fazia as delícias dos maluquinhos das pistas de dança. Falco chegou mesmo a dizer aos amigos, em tom de brincadeira, que era o padrinho do rap branco. Houve uma versão inglesa desta música por uns tais After The Fire que teve também bastante sucesso.

Em 1984 surgiu o segundo trabalho de Falco, intitulado Junge Roemer, cujo impacto ficou aquém do esperado. O cantor entrou então num período de depressão dominado pelo álcool e pelas drogas. A arrogância com que tratava a comunicação social após o estrondoso sucesso do primeiro álbum também não ajudou em nada.



Foi com Falco 3 (1986) que o cantor austríaco voltou a conhecer o êxito, fundamentalmente graças a Rock Me Amadeus, que voltou a colocar o cantor no topo. O teledisco de Rock Me Amadeus passava insistentemente na MTV, o nome do cantor surgia em tudo quanto era programa televisivo e radiofónico e até uma Falco hotline existia para que os fãs pudessem dar largas à sua imaginação ("For a good time call Falco: 1-800-841-1223", podia ler-se em posters de rua). Jeanny seguiu-se em grande estilo e sucesso, apesar da censura de que foi alvo e que já referi no primeiro parágrafo. Há ainda a referir a balada Vienna Calling. A partir daqui, Falco entrou na curva descendente, com os dois últimos registos dos eighties - Emotional (1986) e Wiener Blut (1988) - a passarem despercebidos a nível internacional.

domingo, novembro 28, 2004

De regresso às "covers"


Voltamos às covers, aquelas músicas que alguém se lembra de gravar em segunda mão. Uns porque dá um jeitaço a uma carreira que já viveu melhores momentos. Outros porque simplesmente lhes apetece e não têm que prestar contas a ninguém. Há de tudo e quem fica a lucrar somos nós, fiéis dependentes desse vício que é a música.

A primeira sondagem do QA80 sobre covers elegeu como melhor uma belíssima Gwen Stefani (No Doubt) a gritar It's My Life, Don't You Forget! Foi por pouco, pois logo atrás veio o terrível Sr. Manson a sussurrar daquela maneira que só ele sabe Sweet Dreams Are Made Of This... (quem sou eu para estar em desacordo)

Trago desta vez seis novas versões de temas dos anos 80 para que me digam de vossa justiça qual a melhor. E temos dois portugas na lista: os Silence 4 com o excelente A Little Respect (Erasure) e os Blunder com Blister In The Sun (Violent Femmes). Entre as outras quatro versões há um repetente: Marilyn Manson, desta vez com o fabuloso Tainted Love (Soft Cell). Parece que Manson tem especial queda para fazer versões fantásticas. Outro exemplo é o mais recente Personal Jesus (Depeche Mode), que só não tem lugar na sondagem porque pertence aos anos... 90.

A versão de Gary Jules para Mad World, o tema popularizado pelos Tears For Fears, é o exemplo de que uma cover não tem que ser uma colagem ao original. Gosto bastante do tom intimista desta versão. E da voz do Gary também.

O contrário do que disse anteriormente aplica-se aos Placebo, cujo Big Mouth Strikes Again, para mim, se aproximam demasiado do original dos The Smiths. Isto apesar das vozes do Brian Molko e do Morrissey não terem nada a ver uma com a outra.

Os Korn "pegaram" numa canção que parece ter nascido para ser reinventada. Word Up (Cameo) já foi gravada por Mel B (Spicegirls) e pelos Gun, qualquer uma delas muito boas. A versão dos Korn é para mim a melhor das três e por isso surge na sondagem, apesar de eu não gostar da banda.

E assim estão abertas as hostilidades. Digam de vossa justiça, comentem aqui em baixo e votem ali ao lado.

quinta-feira, novembro 25, 2004

Do They Know It's Christmas - 20 anos



Foi há 20 anos. A nata da pop britânica, sob a designação de Band Aid, juntou-se nos estúdios S.A.R.M., em Londres, para gravar o já lendário Do They Know It's Christmas?/Feed The World. Composto por Bob Geldof e Midge Ure e produzido por Trevor Horn, este tema contou com as seguintes participações:

Adam Clayton (U2)
Phil Collins
Bob Geldof
Steve Norman (Spandau Ballet)
Chris Cross (Ultravox)
John Taylor (Duran Duran)
Paul Young
Tony Hadley (Spandau Ballet)
Glenn Gregory (Heaven 17)
Simon Le Bon (Duran Duran)
Simon Crowe
Marilyn
Keren Woodward (Bananarama)
Martin Kemp (Spandau Ballet)
Jody Watley
Bono (U2)
Paul Weller
James Taylor
George Michael
Midge Ure (Ultravox)
Martin Ware (Heaven 17)
John Keeble (Spandau Ballet)
Gary Kemp (Spandau Ballet)
Roger Taylor (Duran Duran)
Sarah Dullin (Bananarama)
Siobhan Fahey (Bananarama)
Peter Briquette
Francis Rossi (Status Quo)
Robert 'Kool' Bell
Dennis Thomas
Andy Taylor (Duran Duran)
Jon Moss (Culture Club)
Sting
Rick Parfitt (Status Quo)
Nick Rhodes (Duran Duran)
Johnny Fingers
David Bowie
Boy George
Holly Johnson (Frankie Goes to Hollywood)
Paul McCartney

O single vendeu mais de três milhões de cópias no Reino Unido e os lucros ascenderam a mais de oito milhões de libras. As vendas reverteriam a favor das vítimas da fome da Etiópia



A letra e os cantores:

(Paul Young)
It's Christmas time
There's no need to be afraid
At Christmas time
We let in light and we banish shade

(Boy George)
And in our world of plenty
We can spread a smile of joy
Throw your arms around the world
At Christmas time


(George Michael)
But say a prayer
Pray for the other ones
At Christmas time it's hard

(Simon LeBon)
But when you're having fun
There's a world outside your window

(Sting) And it's a world of dread and fear
Where the only water flowing is

(Bono junta-se)
The bitter sting of tears
And the Christmas bells that are ringing
Are clanging chimes of doom

(Bono apenas) Well, tonight thank God it's them instead of you.

(Todos)
And there won't be snow in Africa this Christmas time.
The greatest gift they'll get this year is life
Where nothing ever grows
No rain or rivers flow
Do they know it's Christmas time at all?


Feed the world
Let them know it's Christmas time
Feed the world
Do they know it's Christmas time at all?


(Paul Young)
Here's to you
raise a glass for everyone
Here's to them
underneath that burning sun
Do they know it's Christmas time at all?


(Todos)
Feed the world
Feed the world
Feed the world
Let them know it's Christmas time again


Feed the world
Let them know it's Christmas time again
Feed the world
Let them know it's Christmas time again

John Balance (1962-2004)



Recebi um mail do André Faria informando-me da morte de John Balance, mentor dos Coil, projecto iniciado em 1983. Não estou nada à vontade para falar deste grupo, pois passou-me completamente ao lado. Aceitam-se comentários sobre eles e o QA80 agradece. Fica a referência à morte de Balance, que foi também membro de projectos como Psychic TV, 23 Skidoo, Nurse With Wound, Death in June e Current 93.

Balance morreu a 13 de Novembro, sábado, devido a uma queda.

quarta-feira, novembro 24, 2004

Por quem não esqueci



Porque eles vieram dos anos 80. Porque eles são o que de melhor a nossa música tem. Porque eles são excelentes ao vivo. Porque nunca é demais ajudar.

segunda-feira, novembro 22, 2004

Michael Hutchence


Foto de 1984

Faz hoje 7 anos que o vocalista dos INXS foi encontrado morto num hotel de Sydney, na Austrália. Os INXS tinham acabado com grande sucesso a digressão Elegantly Wasted por terras do tio Sam e preparavam-se para a digressão autraliana Loose Your Head. Michael Hutchence foi encontrado sem vida, enforcado pelo seu cinto de cabedal.

domingo, novembro 21, 2004

Under A Blood Red Sky: o melhor

Under A Blood Red Sky é, para os participantes da sondagem que agora chega ao fim, o melhor álbum dos U2 dos anos 80. Em segundo lugar, a apenas 3 votos de distância, ficou The Joshua Tree. A classificação final após 100 votos:

1. Under A Blood Red Sky - 31
2. The Joshua Tree - 28
3. The Unforgettable Fire - 17
4. Boy - 8
5. October - 7
6. War - 5
7. Rattle & Hum - 3
8. Wide Awake In America - 1



Gloria
11 O'Clock Tick Tock
I Will Follow
Party Girl
Sunday Bloody Sunday
Electric Co.
New Year's Day
40

sábado, novembro 20, 2004

Toy Soldiers



Quem diria. O Eminem resgatou a Martika do baú de recordações dos 80's e incluiu o refrão de Toy Soldiers numa faixa do seu novo álbum, Encore. A música chama-se precisamente... Like Toy Soldiers e é uma das mais fortes do novo do sr. Marshall Mathers.

quinta-feira, novembro 18, 2004

quarta-feira, novembro 17, 2004

You came and changed the way I feel



Amanhã, a magnífica mãe de família que podem ver na imagem completa a bonita idade de 44 anos. Ainda devo ter aquele poster que ocupava lugar de destaque na parede do meu quarto...

segunda-feira, novembro 15, 2004

FANCY

Hold me in your arms again, let me touch your velvet skin



Saber o nome verdadeiro de Fancy é mais difícil que detectar o paradeiro de Bin Laden. Não existe muita informação sobre o senhor e os sites que encontrei referem nomes diferentes. Ric Tess, Tess Teiges, Manfred Alois Segiet ou Manfred Van Aulhausen. Vocês escolhem, mas não percam muito tempo com isso. Todos eles, porém, são unânimes em considerar Fancy como um dos maiores artistas à face da terra e arredores.

Fancy nasceu a 7 de Junho de 1947 em Hamburgo e frequentou um colégio de monges capuchinhos. Depois de chegar à conclusão que a vida monástica não era bem aquilo que procurava, formou uma banda chamada Mountain Shadows, que tocavam basicamente versões de Cliff Richard. Depois meteu na cabeça que alguém haveria de reparar nele e teve razão. Esse alguém chamava-se Todd Canedy e abriu-lhe as portas da música.

Fancy faz parte do chamado German-Disco, que por sua vez se enquadra no Euro-Dance, cuja principal vertente dá pelo nome de Italo-Disco que fez furor nalgumas pistas de dança da década. Confuso? O melhor é então passar à frente. A nacionalidade podia ser diferente, mas a sonoridade ia dar ao mesmo. Só para dar dois exemplos, da Alemanha tínhamos, para além de Fancy, os Modern Talking, esses monstros da piroseira internacional (quem nunca ouviu You’re My Heart, You’re My Soul a bateu o pezinho ao ritmo da música que atire a primeira pedra). De Itália chegavam os Scotch com o seu Disco Band (começava com um gajo a tossir). Mas havia mais, muito mais.



Fancy foi um verdadeiro sucesso do seu tempo na Alemanha, em França e em Espanha. Foi até considerado o rei do Euro-dance. No país de nuestros hermanos a loucura atingiu proporções tais que Bolero (Hold Me In Your Arms Again) permaneceu seis meses em primeiro lugar do top de singles. Não tenho ideia no nosso país se passou o mesmo, mas sei que o teledisco passava muito.

Antes de Bolero, porém, houve Slice Me Nice e Chinese Eyes, na mesma onda: ritmo disco, melodias bem marcadas por um sintetizador irritante e ambiente “carrinhos-de-choque”. As letras são do mais básico que há e a voz do senhor entranha-se e pode causar sérios danos auditivos. É a melhor definição que consigo encontrar. O mais irritante de tudo isto é que, ao ouvir-se Fancy, não se consegue deixar de bater o pezinho. Pelo menos eu não consigo. Flames Of Love foi ainda outro grande êxito nalguns cantinhos da Europa.

Fancy também compôs e produziu vários artistas na mesma onda, mas completamente desconhecidos, pelo que vou poupar-vos o trabalho de lerem os seus nomes.

Ao contrário do que se possa pensar, Fancy tem uma carreira discográfica bastante produtiva. Aqui está a discografia para os fãs hardcore.

Aconteceu neste dia


1986 - Pela primeira vez na história da pop, os cinco primeiros lugares do top de singles do Reino Unido são ocupados por cinco vozes femininas. A saber: Berlin (Teri Nunn), Kim Wilde, The Bangles (Susanna Hoffs), Mel & Kim e Swing Out Sister (Corinne Drewery). Mulheres ao poder!

1990 - O produtor alemão Frank Farian confirma em conferência de imprensa aquilo que até hoje não tem passado de boato: os Milli Vanilli não cantaram nos seus discos. Isso não se faz, ó Frank!

sexta-feira, novembro 12, 2004

Olhem só quem veio para dançar (2ª tentativa)



Desiludido, volto à carga. Agora com imagens de um dos telediscos do senhor que muito passou no Top Disco, por sinal um dos telediscos mais tenebrosos que alguma vez vi. Lembrem-se das matinés de sábado à tarde na discoteca lá da zona! Lembrem-se dos carrinhos-de-choque de romaria da vossa freguesia! Quem é este cromo? Qual é a música? Vamos lá, agora não há como falhar!

quinta-feira, novembro 11, 2004

Olhem só quem veio para dançar



A minha eterna admiração para aquele/a que me disser o nome deste senhor!

O maravilhoso mundo dos pins

Quem nunca usou um pin da sua banda preferida? Encontrei este fotolog sobre os anos 80 e dei de caras com uma foto de pins do autor. Lembrei-me então que o único pin que usei quando era jovem e inconsciente foi aquele X mítico dos Xutos & Pontapés. Mais nada. Nunca fui muito de pins. A minha "nóia" era mais escrever os nomes das bandas na mochila verde-tropa ou então fazer grandes trabalhos de corta-e-cola nas capas das aulas. Qualquer dia publico essas "obras-primas". ;-)

quarta-feira, novembro 10, 2004

Pet Shop Boys em Alcochete - Alguém foi? (actualizado em 12/11/04)



O Beep Crónicas foi e autorizou-me a publicar o seu excelente texto. Obrigado!

"Algo de estranho está no ar. Falou-se muito de história quando MADONNA passou por Portugal, há não muito tempo. Era praticamente impossível encontrar algum órgão de comunicação que não o destacasse. É certo que os PET SHOP BOYS nunca terão o impacto cultural de Lady Ciccone. No entanto, como explicar que, com 20 anos de carreira, e um conjunto invejável de grandiosas canções, a sua primeira vinda a Portugal tenha passado tão despercebida? Vicissitudes de não ser um concerto com o aparato de um Coliseu ou Atlântico, e sim uma borla oferecida por um outlet da margem sul do Tejo? É uma possibilidade real.
A Praça das Estrelas é uma espécie de mini-Praça Sony, degraus incluídos, com a diferença de também permitir alguns lugares sentados ou em pé num passadilho mais acima. O Síndroma Borla não se fez rogado, e manifestou-se na forma de um duelo estridente entre dois grupos de pitinhas, para quem emitir o grito mais agudo era mais importante do que qualquer coisa que se passasse em palco.
Já com o anfiteatro bem composto, e após um DJ de identidade desconhecida ter passado uns quantos números de house manhoso, o duo Chris Lowe e Neil Tennant surgiu, enfim, em palco. O efeito tornou-se, surpreendentemente, algo desagradável, quando “Rent” foi atropelada por ruídos e batidas contranatura, mesmo que a voz de Tennant mantenha todo o romantismo que a tornou inconfundível. Tentar ignorar o que não interessava e ir acompanhando a melodia foi a solução. “Flamboyant”, último single, entrou com vontade de corrigir o alinhamento planetário. Tennant dava provas de uma presença em palco e carisma exemplares. De túnica envergada, meio-sacerdote, meio-mágico, circulava pelo palco, e gesticulava enfatizando os seus invulgares talentos melódicos, e habilidade em extrair a beleza de lugares inóspitos. A história voltou à acção, em “West End Girls”, mesmo desprovida de vozes femininas e trompetes. Nesta altura, a Tennant e Lowe juntaram-se dois guitarristas e uma baterista, que ajudaram a encorpar a recta final da canção. Altura para fazer menção ao facto de ser a primeira visita a Portugal, e usar o pretexto para uma eufórica “Se A Vida É”, seguida de uma magistral e visceral “Domino Dancing”, com direito a extensos coros da assistência. “We’re just two boys from suburbia”, disse Tennant. E todos adivinharam o que se seguiria. Sebes, longas estradas, autocarros nocturnos, predadores de jardim, o grito “Let’s take a ride and run with the dogs tonight in suburbia”, sempre tão pungente. Se as coisas cada vez mais iam ganhando ritmo, aumentando a excitação vivida, o momento seguinte foi de apreensão, quando Tennant desaparece de palco, e Lowe começa a tocar o instrumental da magnífica “Being Boring”. Quando o vocalista surge, com nova indumentária, já se temia que ficássemos privados das lindas e felizes reminiscências da canção. Não fomos poupados, e ainda bem. A festa prosseguiu, com performances eufóricas para “New York City Boy” (Tennant a substituir-se ao coro do original), e uma tocante “Always On My Mind”. Entrados em velocidade de cruzeiro, foi hora da banda ir buscar surpresas como “Sexy Northerner” ou “Love Is A Catastrophe”, esta última cantada com Tennant sentado a maior parte do tempo, e a funcionar como mancha alastrante. Ambas foram intercaladas por novo momento de euforia em palco, ao som de “Where The Streets Have No Name”, o original dos U2, com direito a pedaços de “Can’t Take My Eyes Off You”. Por esta altura, estava implantado o reino dos Pet Shop Boys, e assim sendo, não havia que temer “Go West”. Esta noite, foi um verdadeiro hino de comunhão, cantado a muitas vozes.
De guitarra acústica, Tennant voltou para o encore, iniciado com uma “Home And Dry” de uma beleza trespassante, e a fazer jus ao título de melhor canção dos Pet Shop Boys-século XXI. Sempre com confiança redobrada, sempre consciente de que é um alquimista exímio, o, agora quase calvo, e grisalho, vocalista, seguiu para “Left To My Own Devices”, cujo refrão lançava berlindes a distâncias consideráveis. Exprimido o agradecimento à assistência (que nesta altura já me tinha quase furado os tímpanos), e o desejo de voltar em breve, só houve tempo para colocar os níveis no vermelho, e atacar “It’s A Sin”. Para ser mais perfeito, este só necessitava de ver relâmpagos caírem em redor de Tennant e Lowe. Não aconteceu, mas não era difícil imaginá-los. Se o momento histórico da vinda dos sacerdotes talvez pudesse ter sido assinalado por outra euforia, na altura em que importava não houve poupanças. A vida? Se é assim, é para nos fazer felizes. 8.5/10

Beep Beep"

terça-feira, novembro 09, 2004

Under a Blood Red Sky ou The Joshua Tree?



A sondagem que iniciei há alguns dias está mais renhida que as últimas eleições nos EUA. A tendência parece ir no sentido de destacar dois álbuns: The Joshua Tree e Under A Blood Red Sky. Os dois seguem lado-a-lado para a conquista do título de melhor álbum dos U2 dos anos 80. Eu votei em The Joshua Tree, mas num outro dia, com outra disposição, talvez votasse no registo ao vivo. São os dois fabulosos. The Joshua Tree é o álbum da "americanização" dos U2, no que tudo isso implica ao nível do som da banda e do aspecto visual (Bono abandona o look eighties, por exemplo). Under a Blood Red Sky é talvez o paradigma do álbum ao vivo perfeito. Todas as canções fazem sentido ali, no conjunto, naquele ambiente.

Wide Awake In America é um caso especial. Não é propriamente um álbum no sentido tradicional da palavra uma vez que contém apenas duas faixas de cada lado do vinil. Mas também não é single, nem maxi-single. Acima de tudo é um grande disco e ponto final. Nele estão incluídas as míticas versões ao vivo de Bad e A Sort Of Homecoming.

Still Loving You


Para acabarem o dia bem dispostos experimentem ouvir Still Loving You dos Scorpions. Não acreditam?

terça-feira, novembro 02, 2004

UM ANO



Há precisamente um ano iniciei esta aventura pelos Queridos Anos 80 na sua vertente musical. Entrei na carruagem blogueira e com determinação e algum sacrifício partilhei convosco as minhas memórias musicais da década dourada da música. Asseguro-vos que valeu a pena.

A resposta dos visitantes deste blogue foi fantástica quer ao nível dos comentários aos artigos, quer ao nível dos e-mails que fui recebendo. Alguns congratulando-me pela iniciativa, outros fazendo críticas construtivas que muito apreciei e procurei seguir, outros ainda colocando dúvidas pertinentes relacionadas com a temática, que publiquei de modo a alargar a possível ajuda a todos os visitantes. Por momentos conseguimos fazer deste blogue uma espécie de fórum, o que muito me agradou.

A interactividade de que falei no parágrafo anterior foi para mim (para além da óbvia satisfação pessoal de "reviver" os anos 80) a mais-valia que possibilitou a sobrevivência do Queridos Anos 80. Foi através desta interactividade que aprendi mais sobre a música, conheci novos sons, recordei canções que já estavam arrumadas num canto mais escuro da minha memória, corrigi noções que tinha como verdades absolutas. Tudo graças aos visitantes do QA80. Por isso quero agradecer-vos e desafiar-vos a continuarem a aparecer por aqui. Ainda há muito para dizer sobre a música dos anos 80. Como diria o Limahl, esta é uma verdadeira Never Ending Story...

sexta-feira, outubro 29, 2004

Mark Shaw e o mistério da namorada portuguesa



A propósito do artigo sobre os Then Jerico, a "sofia" comentou o seguinte:

"Alguém esteve no concerto ao vivo em Lisboa (belém) em Junho de 1989? Pois eu estive... e no fim ainda fui beber uns copos com o Mark Shaw, que era (para elám de muito giro) super simpático! Conheci-o na noite anterior, em pleno Kremlin (ia tendo um colapso quando o reconheci a dançar, mesmo à minha frente) e não resisti a meter conversa...

Fait-divers à parte, o concerto foi excelente... eles eram mesmo muito bons ao vivo, e o Mark Shaw um verdadeiro front-man!

Um ano depois, já a solo, o Mark ainda voltou para gravar o vídeo do Love so Bright no... Alcantara Café (em Lisboa, tarzan, sorry!)...

Hum, boas recordações!..."


Acontece que o Queridos Anos 80 passou há uns tempos por uma página na internet onde se faz referência à gravação em Portugal do teledisco de "Love So Bright" e ainda a uma relação que, na altura, Mark Shaw terá tido com uma portuguesa que conheceu numa discoteca... Ora, porque há no site alguns dados em comum com o comentário da "sofia", aí está a pergunta que se impõe fazer:

SOFIA, FOSTE TU?

terça-feira, outubro 26, 2004

Morreu John Peel



Lembram-se daquela série de discos que podíamos encontrar em quase todo o lado com o título The Peel Sessions? Eram gravações dos mais variados grupos da altura, ao vivo, nos estúdios do programa de John Peel, uma das maiores lendas da rádio inglesa de sempre. Ele foi responsável pelo lançamento de grandes bandas, tais como os Joy Divison, The Pixies, Bauhaus e The Smiths. Morreu hoje, vítima de ataque cardíaco, aos 65 anos.

sexta-feira, outubro 22, 2004

Festa da Peúga IV, a ameaça da peúga branca!


Não sei se ainda vai a tempo, mas aqui está: Festa Eighties no Madres de Goa, em Lisboa. É hoje, a partir das 23 horas. O Queridos Anos 80, por estar sediado no Porto, não vai poder comparecer. Com muita pena. Diz a organização: a melhor festa dos anos 80 de toda a região do Vale do Tejo. Alguém vai? Queremos mesmo saber se é a melhor!

quarta-feira, outubro 20, 2004

Freedom, 20 anos depois



Há vinte anos, a música do momento era Freedom dos Wham. Quem não se lembra deste refrão de rara profundidade filosófica?

I don't want your freedom
I don't want to play around
I don't want nobody baby
Part time love just brings me down
I don't need your freedom
Girl all I want right now is you


Depois de Wake Me Up Before You Go-Go e Careless Whisper (esta creditada apenas a George Michael), Freedom confirmava os Wham como o fenómeno pop-adolescente da década.

Uma curiosidade: em 1990, George Michael conheceria o sucesso com outra canção intitulada Freedom. Desta vez, uma espécie de grito de revolta do cantor em relação ao estereótipo do ídolo-pop adolescente...

terça-feira, outubro 19, 2004

A-hadivinhem lá!


Há precisamente 19 anos, neste dia, o top norte-americano de singles via, pela primeira vez na sua história, um grupo norueguês ocupar o 1º lugar da tabela. Quem eram eles? Qual era a música?

quarta-feira, outubro 13, 2004

THEN JERICO

I was taken by suprise I was shattered by your eyes



Numa das minhas deambulações pela Net, encontrei um site dedicado aos Then Jerico, que data de 1998. O autor apresenta o site da seguinte forma:

"Esta página é dedicada à melhor banda ao vivo deste planeta, Then Jerico. Conta a história do grupo e a história de como Mark Shaw enfrentou a adversidade sozinho para salvar a face da música britânica. A todos vós, pecadores, que adoram o deus da música electrónica inclinem-se perante ele pois Mark fez renascer das cinzas o espírito dos Then Jerico e está pronto para vos dar um pontapé no rabo e fazer sangrar os vossos tímpanos."

Bom, descontando o natural grau de alcoolémia que o autor devia ter no sangue, este texto revela o quão importantes os Then Jerico chegaram a ser... nem que seja para uma pessoa. Eu não iria tão longe, mas naturalmente não posso deixar passar em branco a existência de um álbum magnífico chamado The Big Area. Este álbum chegou um dia às minhas mãos, em finais da década de 80, e posso dizer que me influenciou ao ponto de me pôr a cantar horas a fio, fechado no quarto, os temas Sugar Box e The Big Area.

Os Then Jerico surgiram em 1985 e os seus elementos davam pelo nome de Mark Shaw (voz, nome verdadeiro: Mark Robert Tiplady), Jasper Stainthorpe (baixo), Steve Wren (bateria), e Scott Taylor (guitarra). Após a edição de alguns singles e um EP que apenas tiveram sucesso nas pistas de dança britânicas, surgiu o primeiro êxito à escala mundial com a canção The Motive. Este single "encarregou-se" de os internacionalizar e ao mesmo tempo abriu caminho ao primeiro álbum, cujo título haveria de ser precisamente... First (The Sound Of Music)(1987) (nada a ver com o famoso filme da Julie Andrews, ok?).

Em seguida a banda recrutou um segundo guitarrista, de nome Rob Downes, que viria a tempo de gravar o segundo álbum, o famoso The Big Area (1989). Este álbum levá-los-ia ao ponto mais alto da sua curta carreira. Contou com as participações vocais de Belinda Carlisle, Nick Beggs (Kajagoogoo) e Jimmy Helms. O maior trunfo dos Then Jerico, segundo rezam as crónicas, eram as suas prestações ao vivo, não sendo de admirar o estrondoso sucesso da digressão mundial que se seguiu a The Big Area.

Estranho não foi, também, o facto de os Then Jerico terem acabado pouco tempo depois de terem atingido o pico de popularidade, cenário tão recorrente nos anos 80. Dois dos seus elementos casaram-se e Mark Shaw resolveu continuar a sua carreira sob a designação de Shaw etc. (o etc. faz mesmo parte do nome do projecto!). O álbum Almost não lhe trouxe o desejado sucesso e, talvez por isso, em 1997, decidiu recuperar a designação Then Jerico, agora integrando o ex-teclista dos Simple Minds Mick McNeil e o Duran Duran Andy Taylor. O site a que fiz referência no início deste post anuncia esta autêntica ressurreição do grupo em 1998 através de um álbum estranhamente intitulado Orgasmophobia (não façam perguntas...)

Para quem quer conhecer a força ao vivo dos TJ, existe um álbum ao vivo intitulado Alive And Exposed (1992).

terça-feira, outubro 12, 2004

Astronaut, o novo dos Duran Duran



Ah, pois é, eles voltaram a sério. Os Duran Duran arrancaram definitivamente para uma segunda existência com a formação original. Já sabíamos dos concertos, só faltava o tão aguardado álbum de originais. Aqui está ele, acabadinho de sair. Chama-se Astronaut e o QA80 leva-vos até (Reach Up For The) Sunrise, o teledisco que já anda por aí.

sexta-feira, outubro 01, 2004

Like a Virgin, a melhor



A sondagem QA80 elegeu Like A Virgin como a melhor canção de Madonna da década de 80. Depois de um mês de votação, foi por quatro votos que a canção das gôndolas, do vestido de noiva e do leão levou a melhor sobre Material Girl e Crazy For You. Foram 206 votos, na mais renhida e maior sondagem de sempre do QA80. Eis a classificação final:

1º lugar: Like A Virgin - 17% (34 votos)
2º lugar: Material Girl e Crazy For You - 15% (30)
4º: Like A Prayer - 13% (26)
5º: La Isla Bonita - 9% (19)
6º: Borderline - 9% (18)
7º: Papa Don't Preach - 8% (17)
8º: Live To Tell - 7% (15)
9º: Who's That Girl - 4% (9)
10º: Open Your Heart - 4% (8)

PS - Temas como Holiday, Dress You Up, True Blue ou Into The Groove podiam ter feito parte desta sondagem, mas foi uma questão de gosto pessoal.

sábado, setembro 25, 2004

VH1: Bands Reunited



É por estas e por outras que este é para mim o melhor canal de música. A VH1 tem um programa chamado Bands Reunited e cujo conceito é fazer o possível para voltar a juntar elementos de uma banda já extinta para uma actuação única.

Hoje vi um desses programas dedicado aos A Flock Of Seagulls. Valeu a pena. Fiquei a saber que os irmãos Score não se falavam há alguns anos. Que o responsável pelo penteado fantástico de Mike Score, o vocalista, foi o baixista Frank Maudsley. Que o guitarrista Paul Reynolds foi o primeiro a deixar a banda devido problemas físicos e psicológicos (usualmente designados por "sex, drugs and rock'n'roll"). Fiquei também a saber que voz de Mike Score já não é a mesma. O programa acabou com a actuação da banda. Amanhã a VH1 repete o programa, às 17:00h, mas como há mais motivos de interesse, aqui fica a parte da programação que interessa aos fãs dos eighties (hora portuguesa):

Domingo - 26 de Setembro
11:30 - So 80's
12:00 - Bands Reunited - Berlin
13:00 - Uncut - Blondie
14:00 - Bands Reunited - Squeeze
15:00 - TV Moments - Reunions
16:00 - So 80's
17:00 - Bands Reunited - Flock Of Seagulls
18:00 - One Hit Wonders - New Wave
18:30 - One Hit Wonders - Disco Divas
19:00 - Kajagoogoo
20:00 - One Hit Wonders
20:30 - TV Moments - Reunions
21:30 - Before They Were Rock Stars


sexta-feira, setembro 17, 2004

Morreu Johnny Ramone



É o terceiro Ramone a deixar-nos. Depois de Joey (vocalista), em 2001, e de Dee Dee (baixista), em 2002, foi agora Johnny (guitarra) quem deixou amargurados os fãs de uma das maiores bandas rock de todos os tempos.

Os Ramones surgiram em 1974, mas tiveram uma importante presença nos anos 80. "Conheci-os" já em meados da década, tinha eu 15/16 anos, ao ouvir pela primeira vez o álbum It's Alive (1979), talvez o álbum ao vivo que melhor traduz a energia do rock'n'roll em palco.

Há poucos meses comprei em CD a edição remasterizada de End Of The Century (1980), que incluiu temas como Do You Remember Rock'n'Roll Radio?, Baby I Love You e Rock'n'Roll High School.

Hoje é dia de Ramones cá em casa. Hey, ho, let's go!

quarta-feira, setembro 15, 2004

Madonna - a visão de Berna Valada

"Olá Tarzan Boy. Eu estive lá e mando-te aqui o meu relatório. Este texto já foi publicado em http://as-barbas-do-hernani.blogspot.com/

Cumprimentos bloguísticos e "oitentísticos". ;)

Ofereceram-me um bilhete, e em nome dos velhos tempos (anos 80, primeiros 5 anos) fui ver a Madonna ao Pavilhão Atlântico. Em nome do tempo em que implorei durante meses à minha mãe que me encontrasse um pullover verde-alface com decote em bico. Em nome de "Burning Up", "Borderline", "Over and Over" e tantas outras canções que sabia de cor.

Gostei de a ver, está com bom aspecto apesar de terem passado por nós 20 anos. Também gostei de ter tido a oportunidade de vaiar o Pedro Santanás Lopes num grande recinto. Não é todos os dias. Não gostei dos fãs da Madonna. Na sua maioria, são histéricos e não têm escrúpulos.

O espetáculo em si foi muito conceptual e muito variado (apesar de poder dispensar alguma enjoativa imagética circense), com especial destaque para alguns trabalhos em vídeo muito bons. Continuo a achar que é pouco explorada a área da dança, que lhe parece interessar tanto desde que foi bolseira de dança na universidade aos 19 anos. Algumas canções foram re-inventadas (afinal nem todas tiveram direito a nova versão), mas não sob essa perspectiva. É algo que apenas se arranha ao de leve nalguns dos vídeos que passaram nos écrãs - a junção dos novos arranjos sonoros a novas perspectivas dentro da dança contemporânea e da fotografia. É um pacote potente mas pouco explorado. O fim do espetáculo é muito abrupto, não há encores nem palavrinhas soltas, e fica a impressão de que os planos são cumpridos cirurgicamente ao minuto. Muito sorridente e muito pouco preguiçosa como de costume, Madonna vinha carregadinha de mensagens de paz, mas até o desejo de paz mundial cabe dentro de um esquema muito profissional, muito certinho, sem grande espaço para a "re-invenção"."

segunda-feira, setembro 13, 2004

Madonna mia!

Problemas no meu computador têm-me impedido de actualizar o QA80 com assiduidade. Enfim, coisas que acontecem a quem se mete nisto. Já formatei o disco e agora estou na sempre chata fase de instalação de programas.

À hora em que escrevo este post, Madonna deve estar a por em delírio milhares de felizardos no Pavilhão Atlântico. Há cerca de uma hora, uma amiga ligou-me de lá só para me dar 60 segundos de Vogue. Já posso dizer que ouvi a Madonna ao vivo em Portugal.

Gostava de fazer um post com relatos do concerto de pessoas que lá tenham estado ou que venham a estar amanhã. Quem estiver interessado e quiser ver a sua opinião postada no Queridos Anos 80, pode enviar o texto para tarzanboy@iol.pt

quarta-feira, setembro 08, 2004

Só falei pra dizer que te amo



Há 20 anos, Stevie Wonder chegava ao número um do top de singles do Reino Unido. Em Portugal, fez-nos odiar o Top Disco por alguns meses. Depois disto, aprendi o significado da palavra TORTURA.

PS - O título do post é o nome que Marco Paulo deu à sua versao do exito de Stevie Wonder. Fica a homenagem ;-)

terça-feira, setembro 07, 2004

Laura Branigan, a morte aos 47 anos



Recebi um mail do Jorge Guimarães Silva, há já três dias, que me deu a notícia da morte de Laura Branigan, a cantora de Self Control (quem não se lembra do teledisco?) e Gloria. Deixo-vos com a informação que o Jorge gentilmente recolheu sobre Laura:

Tenho um assunto para o teu blog: Laura Branigan morreu devido a um aneurisma cerebral. A cantora foi descoberta, já cadaver, quarta-feira passada. Laura tinha vindo a queixar-se de dores de cabeça, mas não estava a ter acompanhamento médico.

Deixo-te aqui algumas dicas sobre a cantora:

Laura Branigan Nasceu nos arredores de New York a 3 de Julho de 1957. "Gloria" foi o seu primeiro exito na rádio - esteve no top durante 36 semanas em 1982. Esta canção conseguiu-lhe uma nomeação para um Grammy na categoria de "Best Pop Vocal Performance Female".

Em 1983 Branigan teve mais dois "top ten" nas charts das rádios americanas com "Solitaire" e "How Am I Supposed To Live Without You".

Em Portugal um grande exito nas pistas de dança - e não só - foi "Self Control". A cantora entrou ainda num episódio da série "Knight Rider" onde fazia o papel de uma cantora.

Abraços,

Jorge Guimarães Silva

sexta-feira, setembro 03, 2004

Madonna nos anos 80: qual a melhor música?


Vai ser incontornável ouvirmos falar de Madonna nos próximos dias. A material girl vem até nós pela primeira vez para actuar ao vivo. É por isso que o QA80 decidiu abrir mais uma sondagem, desta vez para saber qual o vosso tema favorito de Madonna. Tal como aconteceu com Prince, serão apenas considerados os temas dos anos 80. Mesmo assim, tive de deixar algumas canções importantes de fora, uma vez que o limite de entradas para a sondagem é de 10. São então dez canções a competir para elegerem uma e apenas uma. É aqui ao lado, nas Sondagens Dear80s. Obrigado por participarem!

PS - O post anterior, relativo ao aniversário de Madonna, foi publicado hoje (03/09), mas com a data de 16 de Agosto, que não podia obviamente ser ignorada. Acontece que o facto de estar de férias me impediu de o publicar. Fica agora a actualização.

sexta-feira, agosto 13, 2004

Just Like Heaven


Será que usaram o
mesmo baton?


Faz hoje precisamente 16 anos que Robert Smith, vocalista dos The Cure, e Mary Poole se casaram. Parece uma daquelas histórias de amor que julgamos só acontecer nos filmes. Conheciam-se desde os tempos em que frequentavam as aulas de teatro, tinha Robert apenas 14 anos. Todos os membros que faziam parte dos The Cure da altura - Porl Thompson, Roger O'Donnell, Boris Williams, Simon Gallup e Lol Tolhurst - compareceram na cerimónia que teve lugar na Worth Abbey. O padrinho (best man) foi Simon Galllup. Como espécie de presente de casamento, Robert Smith escreveu Lovesong, canção que faria parte do magnífico Disintegration.

A cerimónia foi mantida no mais absoluto segredo. A propósito, Robert diz: "Se um jornalista ou grupo de fãs estivesse presente, estragaria tudo, quer para nós os dois, quer para os nossos pais."

Quando lhe perguntaram por que se casaram, Robert respondeu: "A principal razão foi podermos dizer que temos um dia em que nos casámos. Na verdade, foi dia mais feliz das nossas vidas. Foi excelente termos toda a família presente. Não o fazer teria sido errado. Apesar de ter o seu significado, ainda nos consideramos como namorado ou namorada. É o que ainda dizemos de cada um de nós."

Sobre a opção de não terem filhos: "Decidimos não ter filhos. Prefiro ser tio. Não sei se daria um bom pai. Falta-me sentido de disciplina na vida e não sei se conseguiria impô-lo a um filho." E ainda: "Tenho 25 sobrinhos e sobrinhas por isso tenho o prazer de ter um monte de crianças por perto quando quero. Mas também posso fechar-lhes a porta quando me apetecer."

Três curiodades relacionadas com Mary Poole:


1. É ela que surge no teledisco de Just Like Heaven a dançar com Robert Smith.

2. É ela também que surge na capa de Charlotte Sometimes, apesar da imagem bastante desfocada.

3. É ainda ela que surge na capa de Pictures Of You. Esta fotografia foi tirada pelo próprio Robert Smith.

quinta-feira, agosto 12, 2004

Los Angeles 1984


Bonito penteado, ó Lionel!

Há vinte anos, os Jogos Olímpicos de Los Angeles chegavam ao fim. Foram os meus primeiros Jogos Olímpicos e, talvez por isso, aqueles que ainda recordo com mais emoção. Momentos inesquecíveis em que foram protagonistas, entre outros, nomes como Daley Thompson, Sebastian Coe, Edwin Moses, Carl Lewis e o nosso Carlos Lopes.

Na cerimónia de encerramento, Lionel Richie, a atravessar o momento mais alto da sua carreira a solo, interpretou uma versão de cerca de 20 minutos de All Night Long, numa transmissão televisiva para cerca de 2.6 biliões de pessoas em todo o mundo. É esse momento que hoje queria recordar convosco. Já agora, quem tiver memórias desses Jogos é sempre bem-vindo para as partilhar!

quarta-feira, agosto 11, 2004

DOUBLE

It was way past midnight and she still couldn't fall asleep



A música The Captain Of Her Heart motivou-me a vasculhar a net em busca do passado, do presente e, quem sabe, futuro dos Double. Foi com surpresa que constatei que futuro não haverá mais para este grupo oriundo da Suiça, pois um dos seus fundadores, Felix Haug (na foto é o da esquerda), morreu de ataque cardíaco no dia 1 de Maio deste ano. Tinha 52 anos.

Kurt Maloo e Felix Haug foram os fundadores dos Double. O primeiro era vocalista e guitarrista e o segundo baterista e teclista. Ambos tinham já um percurso sólido na música durante os anos 70, que envolveu, no caso de Maloo, a criação de uma banda de música experimental e uma curta carreira a solo, e no caso de Haug, na participação em Solid Pleasure dos Yello.

Nos seus primórdios, os Double chamavam-se Ping Pong e eram um grupo de tendências jazzísticas. Participaram em vários festivais de jazz europeus, incluindo o de Montreux, e chegaram a gravar algumas músicas com o guitarrista Phil Manzanera (Roxy Music).

Em 1983, mudaram o nome para Double e começaram por gravar o single Naningo. No ano seguinte surgiram Rangoon Moon e Woman Of The World, canções que viriam a fazer parte do álbum de estreia, Blue. O seu grande sucesso foi o já referido The Captain Of Her Heart transformando-os numa das muitas one-hit wonders que povoam os anos 80. Aqui estão dois minutinhos.

Antes da extinção do grupo em finais da década, ainda saiu o álbum Dou3le (1987), que produziu os singles Devils Ball e Gliding .

sexta-feira, agosto 06, 2004

Vamos ajudar o Fred


O Fred enviou-me um mail que, entre outras coisas, coloca a seguinte questão:

"Da outra grande música da minha juventude só me recordo do vídeo: uns 5-6 tipos (estilo a-ha) a viajarem numa carrinha por paisagens tropicais (talvez a visitarem uma ilha) e onde aparece uma montanha enorme como fundo… alguma ideia? É que a cassete onde tenho a musica gravada já não funciona de tanto a ouvir…"

Alguém ajuda?

terça-feira, agosto 03, 2004

Aconteceu neste dia



1986 - Neste dia, há 18 anos, rebentou o escândalo. O tablóide britânico News Of The World publicava uma entrevista esclusiva com a modelo Mandy Smith, de 16 anos, na qual a menina afirma que mantém uma relação amorosa desde os 13 anos com... preparem-se... sim... estão bem sentados... BILL WYMAN, 47 anos, baixista de uns tais Rolling Stones! O escândalo assumia proporções algo bizarras ao saber-se que a mãe de Mandy Smith tinha concordado com o facto de a sua filha estar a viver com o Bill. As más línguas diziam mesmo que tudo não passava de um complot entre as duas para dar o golpe do baú (e que baú devia ter o Bill!). Bill e Mandy acabariam por casar em 1989 - ele com 50 anos e ela com 19 - e chegar ao divórcio um ano depois. Na altura em que rebentou o escândalo, algumas rádios britânicas censuraram a música de Mandy Smith (que gravava sob a protecção do trio Stock-Aitken-Waterman). Não há notícias que os discos dos Stones tenham deixado de passar na rádio.

1985 - Falando de música propriamente dita, o primeiro lugar dos tops americano e inglês é ocupado respectivamente por Shout, dos Tears For Fears, e Into The Groove, de Madonna. Esta última faz parte da banda sonora do filme Desesperadamente Procurando Susana, no qual a própria Madonna é protagonista.

segunda-feira, agosto 02, 2004

Passatempo



Adivinhe quem são este dois senhores e que canções por si interpretadas ocupavam o 1º lugar dos tops de singles dos EUA e de Inglaterra, em 1986, neste mesmo dia!

Prémio para o/a mais rápido/a: a admiração de todos nós!

Algumas notas sobre o fim-de-semana


Sexta-feira foi dia de jantar fora, ali para os lados das docas de V. N. de Gaia, onde se come bem, paga-se bem e temos a melhor vista do mundo: o rio Douro, a ponte D. Luís e o Porto ribeirinho... No restaurante, onde comi um razoável bife com molho de ostras, há música ao vivo às sextas-feiras. Chamam-se Down & Country (foi o que percebi do inglês um pouco baço do empregado) e tocam versões daquelas canções-que-toda-a-gente-conhece. Dois dos quatro rapazes fazem parte dos Plaza, aqueles do "Liiiiiiiisten tooooooo the sound of radio!!!" (diabos me levem se isto não soa a eighties). A presença deste grupo no restaurante em questão não seria notícia se não fosse, em primeiro lugar, alguns temas dos anos 80 que eles tocaram, cujo momento alto foi, sem dúvida, Build, dos Housemartins, e em segundo lugar, a qualidade do grupo, tanto em termos instrumentais como vocais, de que Mr. Tambourine Man foi bem o exemplo. Vale a pena voltar lá, numa outra sexta-feira qualquer para os ouvir.

No Domingo, bute lá ver os Xutos & Pontapés à Póvoa de Varzim. Ah, e os Fingertips, a banda daquele miúdo cheio de personalidade. Não me vou alongar muito sobre o concerto dos Xutos, pois, como MAIOR BANDA PORTUGUESA DE SEMPRE não há nada a dizer. Os Xutos são os maiores, assim como o sol nasce a oriente e põe-se a ocidente todos os dias. A referência ao evento vai para uma versão surpreendente de Tainted Love, dos Soft Cell, que os Fingertips deixaram em palco. Bastante original, esta versão só pecou pelo desconhecimento da letra por parte do vocalista, se bem que a hipótese de o rapaz ter feito uma letra personalizada não está posta de parte.

sexta-feira, julho 30, 2004

Heroin Boy



Boy George foi uma das personalidades mais carismáticas e controversas da música dos anos 80. Vocalista dos Culture Club, no momento mais alto da sua carreira, viu-se, como tantos outros, apanhado nas malhas da droga. Enquanto uns vão desta para melhor, a outros sai-lhes a sorte grande e são presos, tendo depois a oportunidade de start all over again. Boy George foi um destes sortudos.

Sempre foi presa fácil dos tablóides ingleses, que sempre tiveram assunto para especular no que diz respeito às suas preferências sexuais. Quando um amigo americano que estava de visita a Inglaterra foi encontrado morto no seu apartamento com uma overdose de heroína tudo se precipitou e George não teve por onde escapar.

Foi há precisamente 18 anos que o nosso Boy foi preso por posse de heroína. Do You really Want To Hurt Me? terá perguntado ao polícia que o algemava. Não, apenas quero fazer cumprir a lei ( e já agora assegurar que não desapareces do mapa e deixas a minha filha sem o seu maior ídolo) - terá respondido o sr. officer.

Com muitos ups and downs, a sua recuperação não foi fácil nos anos subsequentes, mas conseguiu libertar-se definitivamente desse mal, tal como dá conta na sua autobiografia, Take It Like A Man. Em finais dos anos 80 chegou mesmo a criar uma banda chamada Jesus Loves You, um tributo ao cristianismo, religião a que se dedicou e que o ajudou no seu problema.

Actualmente Boy George é um dos mais respeitados DJs em Inglaterra. As televisões multiplicam-se em convites para talk-shows. Aquele que um dia foi desprezado e criticado pela sociedade britânica, é hoje em dia uma das suas personalidades mais apreciadas. As voltas que o mundo dá. Tudo isto me leva à seguinte conclusão: José Castelo Branco, não desistas! Há sempre uma esperança!

quinta-feira, julho 29, 2004

Madonna



A raínha da pop vem a Portugal. Se não é o maior concerto de sempre em Portugal, andará lá perto. O Pautas Desafinadas já tem os preços. Um grande esforço financeiro, mas, caramba, é a MADONNA!

Aconteceu neste dia



1981 - O casamento real inglês tem lugar hoje. Carlos e Diana juram fidelidade para todo o sempre até que a morte os separe. Nas lojas de discos surgem um conjunto de singles relacionados com o evento. À semelhança do casamento real, estas canções não terão sucesso: Lady D (Typically Tropical), Charlies Angels (Mini & The Metros) e Diana (Mike Berry).



1982 - Andy Taylor, guitarrista dos Duran Duran casa-se com a cabeleireira do grupo, Tracey Wilson, durante uma digressão americana em Los Angeles. O casamento foi já cancelado por três vezes devido aos compromissos dos Wild Boys. À quarta foi de vez. John Taylor foi o padrinho de casamento ( o best man). Andy confidenciou ao repórter do Queridos Anos 80: "Não me preocupa que ela ganhe a vida a mexer nas cabeças dos meus melhores amigos. O amor é mais forte. Save a prayer!"

sexta-feira, julho 23, 2004

The Rough Guide To Cult Pop



Voltamos aos livros. Desta vez trago-vos a minha última aquisição: The Rough Guide To Cult Pop. Esta é uma pequena (no formato) pérola para nos acompanhar nas férias. Trata-se de um livro da colecção Rough Guides, que aborda a música pop e todos os fenómenos de culto à sua volta, desde as canções mais marcantes aos artistas mais carismáticos, passando pelos géneros musicais e as modas mais excêntricas. Não se trata de um livro exclusivamente sobre os anos 80, mas contem uma grande componente eighties. O livro apresenta-se em inglês e as fotos incluídas são de grande qualidade.

O que mais me agrada neste livro, para além, como é óbvio, do conteúdo textual, é a forma como está escrito. Por vezes, este tipo de publicações cai numa certa monotonia na forma como apresenta os conteúdos. É o risco que qualquer livro de teor enciclopédico corre. Neste caso, não. Paul Simpson, o editor, e os seus colaboradores deram a este livro um tom ao mesmo tempo informativo e divertido. As fotos são acompanhadas de comentários mordazes e os textos apresentam um toque de humor que chega a ser por vezes bastante... ácido.

A capa do livro apresenta-nos uma foto cheia de Debbie Harry com todo o seu glamour. Como teaser, abro o livro na página 181, secção The Lists, e deixo-vos com o top 10 dos álbuns mais vendidos nos EUA durante a década de 80:

1. Thriller, Michael Jackson
2. Purple Rain, Prince
3. Dirty Dancing, Banda Sonora Original
4. Synchronicity, The Police
5. Business As Usual, Men At Work
6. Hi Infidelity, REO Speedwagon
7. The Wall, Pink Floyd
8. Whitney Houston, Whitney Houston
9. Faith, George Michael
10. Whitney, Whitney Houston

Quem é o cromo?



Estava eu deliciado a ver o Top 20 dos piores telediscos de sempre, quando me aparece este cromo em 11º lugar. Vamos lá a testar esse conhecimento da oily-pop dos eighties (também conhecida como a pop-azeiteira). Quem sabe o nome do cromo?