sexta-feira, novembro 18, 2011

KIM WILDE

You came and changed the way I feel, no one could love you more

Para além daquela miúda loira da turma que tinha geografia ao segundo tempo de terça-feira ao lado da minha sala – para além dessa catraia, Kim Wilde foi assumidamente uma das minhas paixões dos anos 80. Outra era a Sandra. Uma era loira, outra era morena, como dizia a canção... Acho que a Kim acabou por levar a melhor sobre a alemã pela simples razão de que a sua carreira acabou por ser muito mais duradoura.

Kim Smith nasceu em Chiswick (Inglaterra) há 51 anos. Filha de Marty Wilde, cantor de sucesso nos anos 50, Kim juntou-se ao irmão Ricky e os dois iniciaram uma parceria musical que haveria de dar frutos por muitos anos. Ricky compunha, Kim cantava e assim se descobriu uma dupla de sucesso. Tudo isto com a supervisão paternal, claro.

Tudo começou com Kids In America, o primeiro single editado em 1981, que rapidamente chegou ao segundo lugar da tabela de singles do Reino Unido. Trazia uma sonoridade que se ajustava perfeitamente à onda new-wave. We’re the kids in america, uuhooo!! O álbum de estreia, Kim Wilde (1981), também se portou muito bem em termos comerciais e incluiu ainda os temas Chequered Love e Water On Glass. Depois chegaria o magnífico Cambodia, que faria parte de Select, o seu segundo álbum, editado em 1982. Por esta altura, Kim Wilde já tinha vendido mais discos do que o seu pai em toda a sua carreira. Os tempos eram outros, claro, mas não deixava de ser facto relevante. Outros temas importantes desta altura: View From A Bridge e Child Come Away.

Acontece, porém, que a competição feroz da pop que se fazia sentir na altura (Kajagoogoo, Duran Duran, Spandau Ballet, Paul Young, Culture Clube, Wham, etc...) não deu tréguas à nossa loira e Kim não conseguiu manter a popularidade alcançada com os dois primeiros trabalhos. Os lançamentos posteriores confirmaram o declínio - Catch As Catch Can (1983) e Teases And Dares (1984), com um The Very Best Of Kim Wilde pelo meio.

Teríamos então de chegar ao ano de 1986 para vermos a linda, fofa, querida Kim voltar à sua melhor forma. E nada melhor do que uma versão de um grande clássico como foi You Keep Me Hanging On (original das Supremes). Depois de ter surgido no single de beneficiência Ferry Aid, Kim Wilde editou o álbum Another Step (1987), que incluiu um dueto com Junior Giscombe no tema do mesmo nome.

Em 1988 o álbum Close mostrou uma Kim Wilde mais virada para as pistas de dança graças a temas como You Came e Never Trust A Stranger. You Came é para mim um dos ícones da pop dos anos 80 e não há volta a dar. Este seria o último longa-duração de Kim Wilde nos anos 80 e, se podemos dizer, o canto do cisne da cantora em termos de êxito mundial.

Em 14 de Setembro de 1990, Portugal recebeu, em Alvalade, David Bowie na sua Sound And Vision Tour para um concerto cuja primeira parte esteve a cargo de... KimWilde. Encontrei esta referência na Net, mas sinceramente não me lembro de que ela tenha passado por cá.

Na década de 90, Kim editou apenas três álbuns, que terão passado completamente despercebidos, à excepção de países como a Alemanha e o Japão e alguns locais recônditos de França - Love Moves (1990), Love Is (1992) e Now And Forever (1995). A própria Kim pareceu investir cada vez menos na sua carreira musical em favor da construção de uma vida familiar. Por muito que me doa no coração, sinto-me obrigado a revelar os seguintes factos: A 01 de Setembro de 1996 Kim Wilde casou-se com um tal Hal Fowler, de quem teve dois filhos: Harry Tristan (03/01/98) e Rose Elizabeth (14/01/2000). Pronto, agora sim, já só me resta o poster e o CD Kim Wilde – The Singles Collection, que inclui a versão de If I Can’t Have You (original dos Bee Gees).

Em 2000, Wilde iniciou uma experiência na televisão e parece que lhe tomou o gosto, passando a apresentar um programa televisivo sobre jardinagem. Aliás, aquela que outrora era considerada a Princess Of Pop, passou a ser conhecida como a Queen Of Crops.

O século XXI assistiu ao regresso de Kim às lides musicais: em 2002 editou uma versão de Born To Be Wild (original dos Steppenwolf). No ano seguinte, gravou com Nena o tema Anyplace, Anywhere, Anytime, facto ao qual o QA80 fez a devida referência. Nesta altura, já vai com mais com três álbuns editados - Never Say Never (2006), Come Out And Play (2010) e Snapshots (2011), este último o seu primeiro álbum de versões em toda a carreira, que inclui, por exemplo, In-Between Days (The Cure) e A Little Respect (Erasure).

Para os fãs portugueses, o dia 29 de maio de 2009 ficará para sempre na sua memória. Kim Wilde esteve no Pavilhão Atlântico, numa atuação integrada na digressão Here and Now. Todos os pormenores aqui: Here and Now 2009 Lisboa.

5 comentários:

LM disse...

É CASO PARA DIZER:
KIM, FILHA:
You came and changed the way I feel!! ;)

tarzanboy disse...

LM :)

André Leão disse...

este último álbum de covers está muito engraçado. Gosto especialmente do To France (por vezes a fazer lembrar os Apoptygma Berzerk), o Wonderful Life e o They don´t know about us.

tarzanboy disse...

Também gostei do álbum, André.

alma-em-4-corpos disse...

é a cantora mais bonita dos anos 80 (e não só)